Sinusite: o que é, quais as causas e como tratar?

imagem de raio-x 3d de uma cabeça mostrando a regiaõ interna dos narizes em vermelho, indicando a sinusite.

Sofrendo com dor de cabeça, congestão nasal e secreção espessa? Esses podem ser os sinais da sinusite, uma inflamação dos seios da face que causa incômodos e impacta na qualidade de vida. 

Neste artigo, vamos desvendar alguns pontos sobre a sinusite: suas causas, sintomas e os melhores tratamentos para te ajudar a se livrar desse mal de uma vez por todas.

É importante lembrar que este artigo tem caráter informativo e não substitui a consulta médica. Em caso de dúvidas ou sintomas persistentes, procure sempre um médico para obter um diagnóstico preciso e o tratamento adequado.

O que é sinusite?

A sinusite é uma inflamação das mucosas que revestem os seios da face, cavidades ósseas cheias de ar localizadas ao redor do nariz. Essa inflamação pode ser causada por diversos fatores, como infecções virais, bacterianas ou alergias, e gera diversos sintomas incômodos.

foto exemplificando a região do rosto onde a sinusite ocorre, em vermelho, realçando a parte acima dos olhos e ao redor do nariz
sefa ozel | iStock

Quais são os tipos de sinusite?

A sinusite pode ser aguda ou crônica e cada uma pode ter subtipos a depender do agente causador da infecção.

A sinusite aguda geralmente dura menos de quatro semanas e é frequentemente causada por infecções virais, como o resfriado comum, embora também possa ser provocada por infecções bacterianas ou, menos comumente, por fungos. Pode resultar de alergias ou irritantes ambientais.

A sinusite crônica dura 12 semanas ou mais, apesar do tratamento, e pode resultar de infecções recorrentes ou inadequadamente tratadas. Fatores como pólipos nasais, desvios de septo, alergias crônicas ou condições como a asma podem contribuir, e infecções bacterianas ou fúngicas podem estar envolvidas.

Qual a diferença entre gripe, sinusite e rinite?

A diferença entre as três está principalmente nos sintomas.

A gripe tem início súbito e sintomas mais gerais, como febre alta, dores musculares e mal-estar. A sinusite causa dor e pressão facial, secreção nasal espessa, que pode ter coloração amarela ou esverdeada e congestão nasal persistente. Já a rinite causa mais espirros, secreção mais fluída e clara, coceira no nariz e olhos, sintomas de alergia sem febre ou dor facial.

A rinite e a sinusite também se diferenciam quanto ao local de ocorrência. Enquanto a rinite é uma inflamação das mucosas das cavidades nasais, a sinusite é uma inflamação nas cavidades paranasais, ou sinos da face, que são os ossos que rodeiam os olhos e a região do nariz.

Quais são as causas e fatores de risco da sinusite?

A sinusite pode ser causada por diversos fatores e acometer pessoas de todas as idades. Compreender as causas e os fatores de risco dessa doença é fundamental para prevenir crises e garantir o bem-estar.

A principal causa de sinusite aguda são as infecções virais (resfriados e gripes) e bacterianas. Já a sinusite crônica pode estar relacionada a infecções persistentes, além de alergias, desvios de septo nasal, fungos e até mesmo doenças autoimunes. 

Os principais fatores de risco também estão relacionados com essas causas. Vamos entender mais a fundo:

  • Histórico de infecções respiratórias: pessoas que frequentemente apresentam resfriados, gripes ou outros problemas com frio e doenças respiratórias têm maior predisposição à sinusite;
  • Alergias respiratórias: indivíduos com rinite alérgica, asma ou outras alergias respiratórias são mais propensos a desenvolver sinusite;
  • Desvios de septo nasal: essa alteração na estrutura do nariz, mesmo que assintomática, pode aumentar o risco de sinusite;
  • Fatores anatômicos: algumas pessoas nascem com cavidades nasais estreitas ou com anomalias na estrutura dos seios da face, o que facilita o acúmulo de muco e o desenvolvimento de sinusite;
  • Exposição a poluentes: o contato frequente com poluição do ar, fumaça de cigarro ou produtos químicos irritantes pode irritar as mucosas nasais e aumentar o risco de sinusite;
  • Sistema imunodeprimido: pessoas com doenças que enfraquecem o sistema imunológico, como HIV/AIDS, diabete ou câncer, são mais suscetíveis a infecções, incluindo sinusite;
  • Natação em águas poluídas: nadar em águas contaminadas com bactérias ou fungos pode aumentar o risco de sinusite, especialmente se a água entrar no nariz;
  • Contato frequente com crianças: pessoas que convivem com crianças pequenas, que frequentemente apresentam infecções respiratórias, podem ter maior contato com vírus e bactérias, aumentando o risco de sinusite.

Quais são os sintomas da sinusite?

Saber identificar os sinais da sinusite é fundamental para buscar o tratamento adequado e prevenir complicações. Alguns dos sintomas mais comuns da sinusite são:

  • Congestão nasal: dificuldade de respirar pelo nariz, muitas vezes acompanhada por coriza (muco escorrendo pelo nariz);
  • Dor facial: sensação de pressão, dor ou queimação na região dos seios da face, podendo piorar ao se abaixar ou inclinar a cabeça;
  • Muco espesso: secreção nasal abundante e espessa, que pode ser amarelada, esverdeada ou até mesmo com sangue;
  • Outros sintomas: febre, fadiga, tosse, diminuição do olfato e dor de cabeça também podem estar presentes.

A presença de um ou mais sintomas não garante o diagnóstico de sinusite. É fundamental consultar um médico para obter um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento adequado.

Como ocorre o diagnóstico da sinusite?

O diagnóstico da sinusite envolve uma combinação de avaliação clínica e histórico do paciente. Para o diagnóstico da sinusite, o profissional mais indicado a ser consultado é um médico otorrinolaringologista ou clínico geral.

Na consulta médica, o médico irá questionar sobre seus sintomas, tempo de duração, hábitos de saúde, alergias, medicamentos em uso e hábitos de vida.

Em alguns casos, o médico pode solicitar a coleta de secreção nasal para identificar o microrganismo causador da infecção e direcionar o tratamento com antibióticos específicos.

Se houver suspeita de alergias respiratórias, o médico pode solicitar a realização de testes de alergia para identificar os alérgenos que desencadeiam os sintomas.

A sinusite pode evoluir para complicações mais graves. Por isso, é importante buscar atendimento médico imediato se você apresentar sintomas graves, como dor facial intensa e persistente, febre alta, calafrios, inchaço ao redor dos olhos, dificuldade para respirar ou secreção nasal com sangue.

Como é feito o tratamento da sinusite?

Antes de iniciar qualquer tratamento, é fundamental buscar um médico, como um otorrinolaringologista, para obter um diagnóstico preciso da sinusite. Por meio de uma consulta detalhada, o médico poderá identificar a causa da inflamação e determinar o tratamento mais eficaz.

O médico também pode prescrever o uso de medicamentos que  também fazem parte do tratamento da sinusite:

  • Descongestionantes nasais: spray ou medicamentos descongestionantes podem ajudar a desobstruir as vias nasais e aliviar a congestão;
  • Antibióticos: se a causa da sinusite for uma infecção bacteriana, o médico poderá prescrever antibióticos para eliminar as bactérias e controlar a infecção;
  • Corticoides: em alguns casos, o médico pode indicar o uso de corticoides nasais ou orais para reduzir a inflamação das mucosas.

A automedicação não é indicada, por isso, buscar auxílio médico para acompanhar o tratamento é fundamental.

A presença de pus na garganta pode indicar uma faringite bacteriana, que pode estar associada à sinusite. Nesses casos, também é fundamental buscar atendimento médico para receber o tratamento adequado com antibióticos.

Em situações em que a consulta presencial não seja possível, os benefícios da telemedicina pode ser uma alternativa para avaliação médica, diagnóstico e acompanhamento da sinusite. 

Por meio de plataformas online, o paciente pode ter acesso a um médico especialista para discutir seus sintomas, receber orientação e, quando necessário, iniciar o tratamento.

Autocuidado para sinusite

Algumas práticas podem ajudar a aliviar os sintomas, como o repouso e evitar atividades físicas intensas ajuda o organismo a se recuperar da infecção. Usar umidificadores de ar ou tomar banhos quentes com vapor pode ajudar a manter o ar úmido e aliviar o congestionamento nasal.

Além disso, fazer a lavagem nasal frequente com soro fisiológico e evitar o uso de ar condicionado também pode aliviar os sintomas da sinusite. Se manter hidratado e beber, ao menos, 2 litros de água, também é muito importante.

Crise de sinusite: como ocorre?

Uma crise de sinusite se caracteriza por um agravamento repentino dos sintomas da doença, como dor facial intensa, congestão nasal, secreção espessa e, em alguns casos, febre e mal-estar geral. Mas como essa crise se desenvolve?

Vírus e bactérias são os principais responsáveis por crises agudas de sinusite. Infecções respiratórias, como resfriados e gripes, podem facilmente se propagar para os seios da face causando a inflamação.

Pessoas com alergias respiratórias, como rinite alérgica, têm maior predisposição a crises de sinusite. O contato com alérgenos, como poeira, ácaros, mofo ou pelos de animais, pode desencadear a inflamação das mucosas dos seios da face.

Além disso, pequenos crescimentos benignos nas mucosas nasais, os chamados pólipos, podem obstruir os seios da face, levando à retenção de muco e aumentando o risco de crises de sinusite.

Ar seco, poluição e mudanças bruscas de temperatura também podem irritar as mucosas nasais e desencadear crises em pessoas com sinusite crônica.

Quando um desses gatilhos atua em um indivíduo com predisposição à sinusite, a inflamação das mucosas dos seios da face se intensifica. Essa inflamação causa o inchaço das mucosas, bloqueio dos canais de drenagem e acúmulo de muco. 

O muco retido, por sua vez, torna-se um ambiente propício para o crescimento de micro-organismos, como bactérias e fungos, que podem agravar a infecção e levar aos sintomas típicos da crise.

Quanto tempo dura uma crise de sinusite?

O tempo de duração de uma crise de sinusite varia de acordo com diversos fatores, como a causa da crise, a gravidade dos sintomas e o tratamento realizado. Em geral, uma crise de sinusite aguda, causada por vírus ou bactérias, costuma durar de 7 a 14 dias.

Já as crises de sinusite crônica, que podem ter diversas causas, podem durar mais tempo, variando de semanas a meses, e podem apresentar períodos de melhora e piora dos sintomas.

Se você está com uma crise de sinusite, é importante consultar um médico para obter um diagnóstico preciso, identificar a causa da crise e receber o tratamento adequado. O tratamento geralmente inclui medicamentos, como antibióticos (em casos de infecções bacterianas), descongestionantes, analgésicos e spray nasal. Não se deve realizar a automedicação sem prescrição médica. 

Sinusite é contagiosa?

A sinusite em si não é contagiosa, mas as infecções virais e bacterianas que a causam podem ser transmitidas de pessoa para pessoa. Essas infecções podem ser transmitidas ao tossir, espirrar ou falar, pequenas gotículas contendo os vírus ou bactérias podem ser lançadas no ar e inaladas por outras pessoas.

As gotículas também podem pousar em superfícies, como maçanetas, teclados ou telefones, e contaminá-las. Se alguém tocar nessas superfícies e depois levar as mãos aos olhos, nariz ou boca, pode se infectar.

Crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas podem ser mais suscetíveis ao risco de contágio, devido à chance de terem um sistema imunológico mais fraco. 

Quando buscar auxílio médico por conta da sinusite?

É preciso ficar atento e vigilante a qualquer alteração do corpo ou quando os sintomas persistirem e se tornarem mais graves. Alguns sintomas são sinais mais graves de que é necessário buscar auxílio médico por conta da sinusite, são eles:

  • Dor facial intensa e persistente;
  • Febre alta (acima de 38,5 °C);
  • Calafrios;
  • Inchaço ao redor dos olhos;
  • Dificuldade para respirar;
  • Secreção nasal com sangue;
  • Alteração da visão;
  • Dor de cabeça intensa e repentina.

Um profissional de saúde qualificado poderá te auxiliar no diagnóstico preciso da sinusite, determinar a causa da doença e indicar o tratamento adequado para o seu caso.

Quais complicações podem ocorrer devido à sinusite não tratada?

A sinusite, quando não tratada de forma adequada, pode trazer diversas complicações, comprometendo a saúde e o bem-estar do paciente.

Complicações mais comuns:

  • Infecções: a sinusite não tratada pode evoluir para infecções que se espalham para áreas próximas, como os olhos, ouvidos e em alguns casos até mesmo o cérebro. Isso pode levar a problemas como a celulite periorbitária e trombose do seio cavernoso;
  • Osteomielite: infecção nos ossos da face, podendo causar dor, inchaço, vermelhidão e dificuldade de movimentar a face;
  • Perda de olfato: a sinusite crônica pode afetar o nervo olfatório, levando à perda parcial ou total do olfato;
  • Pólipos nasais: crescimentos benignos nas mucosas nasais, que podem se desenvolver em decorrência da inflamação crônica da sinusite e causar congestão nasal, dificuldade para respirar e outros sintomas.

A melhor forma de prevenir complicações da sinusite é buscar diagnóstico e tratamento precoces com um médico especialista. Conte com a Conexa Saúde para cuidar da sua sinusite!

Através da nossa plataforma de telemedicina, você tem acesso a médicos especialistas em otorrinolaringologia para consulta online, diagnóstico preciso, orientação sobre o tratamento adequado e acompanhamento durante todo o processo.

Créditos da imagem: libre de droit em iStock


Compartilhe:

LinkedIn
WhatsApp
Facebook
Twitter
Email

Deixe um comentário

Pesquisar

Assuntos do blog

Receba quinzenalmente os melhores conteúdos sobre saúde física e mental.

Assine nossa newsletter e tenha acesso aos nossos conteúdos exclusivos!

    Nos acompanhe nas redes sociais!

    Outros posts que você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e acesse o melhor conteúdo sobre saúde física e mental!

      Saúde e bem-estar que encaixa na sua rotina

      A Conexa Saúde é uma solução completa de saúde digital que simplifica o seu acesso a cuidados físicos e mentais. Fale com a gente!