Fadiga no home office

Fadiga no home office

Parece que não, mas ainda hoje tem gente que pensa que trabalhar em casa é um privilégio sem nenhuma dificuldade, mesmo depois de todas as adaptações necessárias com a migração das empresas para esse regime de trabalho, depois da pandemia de Covid-19.

Mudam os hábitos, mudam os impactos. Em casa, há outros desafios tão importantes quanto no escritório. Conciliar o tempo entre tarefas domésticas, família e descanso, manter uma rotina saudável para o corpo e para a mente e ser produtivo.

Nessa lista um elemento tem colaborado para o estresse dos funcionários: as videochamadas. Principal meio de comunicação para o trabalho remoto, elas têm levado muita gente à exaustão.

O fenômeno vem sendo chamado por cientistas de “fadiga do zoom”. Essa foi a conclusão de um estudo da universidade americana de Stanford. Continue a leitura e entenda o que é esse fenômeno e como contorná-lo.

A pandemia e a “fadiga do Zoom”

Os pesquisadores avaliaram que a interação pelos serviços de chamada de vídeo, com Zoom, Google Meet e Microsoft Team acarretam demandas específicas para o cérebro e isso pode levar à exaustão.

Segundo a pesquisa de Stanford, as videochamadas têm consequências à saúde tanto a curto, como logo prazo. Podem inclusive provocar desde dores de cabeça, até depressão e crises de ansiedade.

O professor de psicologia e comunicação e diretor fundador do Laboratório em Stanford, Jeremy Bailenson, explica que “há algo de extremamente cansativo em ficar o dia todo em chamadas de vídeo”.

Motivos

Segundo professor de psicologia há quatro fatores principais para essa fadiga. São eles:

  1. Cansaço visual por olhar para a tela a curta distância e ter que olhar para vários quadrinhos ao mesmo tempo, dando a sensação de estar sendo vigiado;
  2. Efeito espelho (olhar para a própria imagem o dia todo), no mundo real não ficamos nos olhando como nos portamos, nos mexemos;
  3. Mobilidade reduzida, pois os usuários ficam mais tempo na mesma posição, deixando até mesmo de andar dentro de casa, esquecendo de beber água ou de ir ao banheiro;
  4. Comunicação não verbal excessiva, como gestos. Isso vem de uma vontade excessiva de se fazer entender por conta da limitação do tamanho ou qualidade da câmera, que faz com que o usuário se esforce mais.

Ainda segundo o pesquisador os fatores podem causar uma “sobrecarga não verbal”. “Olhar de perto para um computador durante horas, com pequenas janelas de vídeo de outras pessoas, e ao mesmo tempo enxergar a si mesmo, é exaustivo”, comenta Bailenson.

Sobrecarga não verbal

O comportamento é completamente diferente em uma vídeochamada. Nela há várias informações ao mesmo tempo e isso provoca no participante uma necessidade de se fazer presente.

Isso começa desde o momento em que você se certifica se está no enquadramento certo. Se estiver em um laptop é preciso fazer um esforço para focar em uma câmera pequena, entre 30 e 50 cm de distância da cabeça.

“Até a forma como falamos em vídeo exige esforço”, descreve Bailenson, citando um estudo de 2019 que comparou a interação face a face com reuniões virtuais.

Os dados mostraram que pessoas falavam 15% mais alto no computador. “Pense nas consequências de elevar consideravelmente a voz durante um dia inteiro de trabalho”, avalia.

Soluções

O objetivo da pesquisa é fazer com que as plataformas de videochamadas façam mudanças nos softwares, para amenizar o cansaço que elas provocam, mas enquanto isso não acontece, Bailenson, indica algumas soluções possíveis. Veja:

  • Evitar programas de chamada de vídeo em tela-cheia;
  • Prefira teclado externo para afastar a tela e/ou câmera do rosto;
  • Atenção para estar bem-posicionado em frente à câmera e clicar em “hide self-view” (para não ver sua imagem o tempo todo);
  • Desligar a câmera de vez em quando e ficar apenas com o áudio ligado;

    Outros pesquisadores adicionam mais duas dicas:
  • Fazer pausas para andar, ir ao banheiro ou beber água;
  • Reservar um lugar específico para as videochamadas pode ajudar o corpo a entender quando é a hora dela;

A pesquisa

O levantamento de Stanford foi baseado em relatos e não em análises neurocientíficas ou em outra evidência que seja possível quantificar numericamente.

Os pesquisadores questionaram se as pessoas se sentiam mal-humoradas, mentalmente esgotadas ou com incômodo nos olhos após as chamadas de vídeo. As respostas variaram de “não” a “um pouco”, “moderadamente”, “muito” e “extremamente”.

Essas pesquisas são importantes, mas é difícil averiguar as respostas de um participante ou replicar o estudo para países diferentes, com outras culturas, idades e gêneros diferentes.

“Se obtivermos amostras maiores num espaço de tempo prolongado, poderemos começar a responder a essas perguntas”, finaliza Bailenson.

E você, já se sentiu exausto em reuniões virtuais?
Quer ficar por dentro de novas dicas para um home office saudável? Então curta a nossa página no Facebook e nos siga no Instagram para não perder nenhum conteúdo.

Compartilhe:

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter e acesse o melhor conteúdo sobre bem-estar corporativo!

    Saúde digital, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

    A Conexa Saúde é uma solução completa para a saúde digital da sua empresa, que mostra que bem-estar corporativo pode ser acessível e estratégico. Fale com a gente!

    Skip to content