Dezembro vermelho: o que é?

dezembro vermelho

Você definitivamente já ouviu falar de outubro rosa, o mês da conscientização do câncer de mama nas mulheres. Como complemento, foi criado o novembro azul, com o mesmo objetivo para homens, com o câncer de próstata. Outra data amplamente conhecida é o setembro amarelo, que visa a prevenção ao suicídio.

O que você pode ainda não saber é que existem mais meses temáticos de assuntos relacionados à saúde física e mental, apesar de algumas datas terem mais visibilidade do que outras. A criação dessas datas é interessante para firmar os debates de pautas tão importantes na agenda da sociedade. É uma maneira criativa e eficiente de chamar atenção para temas difíceis, porém extremamente necessários.

O último mês do ano também tem um tema para chamar de seu. Você já ouviu falar sobre dezembro vermelho? Sabe sobre o que se trata? Se não, chegou a hora de conhecer. Continue lendo o artigo para entender mais sobre!

Dezembro vermelho: mês da conscientização e combate à Aids

1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta Contra a Aids.

A data foi estabelecida internacionalmente em 1987 por decisão da Assembléia Mundial de Saúde com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, o Ministério da Saúde adotou a data um ano depois.

O objetivo foi o de reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com portadores de AIDS.

Nada mais justo do que prolongar o dia para um mês todo. Dezembro, portanto, é o dezembro vermelho, o mês da conscientização e combate à AIDS.

O laço vermelho como símbolo

A cor foi escolhida para ilustrar o dezembro vermelho por causa do símbolo já utilizado pela causa, o laço vermelho.

O projeto da imagem foi criado em 1991 por um coletivo de artistas de Nova York, a Visual Aids.

De acordo com Frank Moore, artista do grupo, o motivo da escolha da cor vermelha foi a relação ao sangue e à paixão. Já o laço foi inspirado no laço amarelo que honrava os soldados norte-americanos que foram à Guerra do Golfo.

Com a internacionalização do símbolo, o laço que ilustra o dezembro vermelho ultrapassou o significado que o restringia aos Estados Unidos. Hoje, a marca é relacionada aos laços afetivos, à solidariedade e ao comprometimento.

O preocupante aumento de casos

Ao mesmo tempo que uma grande parte da população tem conhecimento do que é a AIDS por causa da pandemia dos anos de 1980, os casos da doença estão em uma crescente nos últimos anos em diversos países, incluindo o Brasil.

De acordo com o Programa Conjunto da ONU para HIV/Aids, o Unaids, entre 2010 e 2018, o Brasil teve um aumento de 21% no número de casos.

Os dados firmam ainda mais a importância da conscientização promovida pelo dezembro vermelho.

Aids X HIV: entenda a diferença

Ainda hoje, muitas pessoas pensam que AIDS e HIV são a mesma coisa. Esta é uma concepção errada e que pode ser ofensiva.

A AIDS é um efeito colateral causado pelo vírus HIV. Por falta de informação por parte dos pacientes e tratamentos, a epidemia da AIDS fez muitas vítimas nos anos 80.

A boa notícia é que a ciência evoluiu, e hoje, a maioria das pessoas que têm HIV não têm AIDS devido ao acompanhamento correto da doença. Tanto que a AIDS não está mais na lista de principais doenças do século XXI após ser protagonista do século XX.

Saber desta diferenciação e usar a nomenclatura adequada para cada caso é um pequeno e primeiro passo para contribuir para o dezembro vermelho.

Prevenção do HIV

O vírus HIV é transmitido a partir de mucosas e sangue infectado. Na prática, isso significa:

  • Relações sexuais desprotegidas;
  • Compartilhamento de agulhas e seringas contaminadas;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Transmissão vertical (da mãe infectada para o bebê).

A prevenção é evitar as respectivas situações. Principalmente pelo uso de preservativos.

Ao entrar em contato com o vírus, existe a possibilidade de dois tratamentos imediatos: o Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP) e o Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PreP).

Carga viral indetectável: o sucesso do tratamento

A terapia antirretroviral é o tratamento para portadores de infecções por retrovírus, como é o caso do HIV. Desde 1996, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente os medicamentos de tratamento e prevenção.

Sim, há dependência ao coquetel de remédios. Mas é por causa deles que hoje é possível garantir uma vida longa e saudável aos pacientes. Um estilo de vida ativo e com alimentação balanceada também é altamente recomendado – assim como é para todos.

Quando seguida corretamente – tanto na dose como na continuidade -, a terapia antirretroviral é capaz de reduzir a carga viral do HIV a ponto de ela se tornar indetectável.

Na prática, isso significa que o HIV não consta presente na corrente sanguínea em testes laboratoriais comuns, e principalmente, não é mais transmitido sexualmente – o que não significa que o uso de preservativo se torna dispensável.

Participe e colabore com a conscientização e combate à AIDS neste fim de ano!

O que achou desse artigo? Para acompanhar mais conteúdos sobre saúde no trabalho, inovação e bem-estar, acompanhe a gente no Instagram!

Texto: Manoela Caldas.

Compartilhe:

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

Outros posts que você também pode gostar

Assine nossa newsletter e acesse o melhor conteúdo sobre bem-estar corporativo!

    Saúde digital, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

    A Conexa Saúde é uma solução completa para a saúde digital da sua empresa, que mostra que bem-estar corporativo pode ser acessível e estratégico. Fale com a gente!

    Skip to content