Covid-19: monitoramento dos sinais vitais

A importância do monitoramento dos sinais vitais para a Covid-19

As estatísticas refletem a alta letalidade do coronavírus, mas apesar da sua gravidade, algumas atitudes preventivas, como o monitoramento dos sinais vitais, podem salvar muitas vidas.

Por isso, evitar a piora do quadro e a necessidade de UTI em um momento em que faltam leitos e equipamentos e o sistema de saúde está operando no limite em todo país pode significar muito, já que cada minuto conta contra o avanço da doença.

Mas se você quer entender melhor a Covid-19 e a importância do monitoramento dos sinais vitais para a prevenção da doença, não deixe de ler nosso post de hoje!

Como funciona

Como se sabe, a análise dos sinais vitais dos pacientes é uma norma padrão de avaliação para qualquer caso. As principais são: medição da temperatura corporal, frequência cardíaca, pressão arterial, frequência respiratória, saturação de oxigênio sanguíneo e dor.

Sendo assim, esses indicadores auxiliam tanto no diagnóstico inicial, acompanhamento do quadro clínico; e a tomada de decisões sobre o tratamento, de acordo com a resposta ao mesmo.

No caso da Covid-19, o principal indicador a ser observado é o acompanhamento do índice de oxigênio no sangue.

Por isso, o Ministério da Saúde estabeleceu valores normais de referência para cada um dos sinais vitais:

  • Temperatura corporal: entre 35 º C e 36º C.
  • Frequência cardíaca (pulso): entre 60 e 90 bpm.
  • Pressão arterial Sistólica: entre 100 e 140 mmHg e diastólica entre 60 e 90 mmHg.
  • Saturação de oxigênio sanguínea: cima de 96.
  • Respiração: entre 16 e 20 mrpm.
  • Dor: medida em escala entre suportável e insuportável.

Aliado da telemedicina

No entanto, com o isolamento social, a telemedicina mostrou ser uma arma importante e segura tanto para pacientes como para os médicos, sendo utilizada com sucesso em vários países. O serviço é ainda mais preciso quando é possível ter suporte de monitoramento à distância.

Por tanto, atualmente há vários recursos disponíveis não só a nível médico, mas também aos usuários de uma forma geral. Ferramentas tais como:

Apple Watch– faz aferição de frequência cardíaca contínua durante o exercício.

Zio Patch– Adesivo usado próximo à área cardíaca que faz o papel de um holter 24 horas, usado para identificar tacarritmias ou bradiarritmias.

Cuco Health– Ferramenta que ajuda o paciente na adesão ao tratamento, lembrando as medicações, seus horários , fazendo a gestão do autocuidado.

Biologix– Adaptou o sistema usado para monitorar a apneia do sono para monitoramento dos níveis de oxigênio no sangue para prevenir os casos de covid-19.

“Hoje em dia com o avanço da tecnologia, vários dispositivos vem para ajudar não só a telemedicina, mas as consultas médicas, para quebrar barreiras do atendimento. Sendo assim, cuidando do paciente no período que o médico ou outro profissional de saúde não estão presentes, podendo ceder informações muito valiosas para que o médico consiga chegar ao diagnóstico e decisões mais assertivas e salvar mais vidas”, afirma o head do SAAS médico da Conexa, Miguel Barella Neto.

Inovação na pandemia

Como se sabe, monitorar os sinais vitais exige a orientação de um profissional de saúde. Com a regulamentação da telemedicina durante a pandemia, soluções foram criadas para dar maior precisão ao atendimento médico à distância.
Médicos passaram a contar com plataformas de monitoramento remoto, inclusive na avaliação de risco, suspeita ou modos mais brandos da doença. Uma delas é Biologix.

Porém, a startup precisou adaptar seus protocolos usados para medição do sono para covid-19, após o surgimento dessa demanda espontânea. Foram desenvolvidas duas soluções, sendo uma para ser usada em casa e a outra em hospitais.

O médico pneumologista, Geraldo Lorenzi Filho, explica como funciona. “Você baixa um aplicativo no celular, o oxímetro de alta resolução cria uma série de características e, de quatro em quatro horas toca um alarme convidando você a coloca-lo no dedo por trinta segundos”.

Ainda segundo ele os dados ficam disponíveis tanto para o médico como para o paciente. “Ficam disponíveis no celular do paciente e numa plataforma, que, eventualmente, algum médico pode remotamente acompanhar o nível de oxigênio no sangue”, completa.

Hospitais

No caso de hospitais, o monitoramento é mais frequente, inclusive já há duas experiências com bons resultados no hospital de campanha do Pacaembu e no monitoramento de pacientes em casa, feito pela Prefeitura de São Caetano.

No caso do hospital, a medição é constante em casos menos graves que recebem oxigênio nas enfermarias. “O oxímetro fica continuamente no dedo e o monitoramento é feito a cada cinco minutos. A informação vai para a nuvem e um computador na enfermaria”, explica.

O médico explica que o dispositivo pode ser usado em vários pacientes ao mesmo tempo, sendo um celular para cada. “É uma solução barata e eficiente e você pode colocar em quantos pacientes quiser”, finaliza.

Gostou do nosso post de hoje?

Continue nos acompanhando pelo Instagram e Facebook. E não esqueça de se cuidar!

Confira o que é telemedicina e como funciona!

Compartilhe:

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

conexa saude cta

Nos acompanhe nas redes sociais!

Assuntos do blog

Receba quinzenalmente os melhores conteúdos sobre bem-estar corporativo.

Assine nossa newsletter e tenha acesso aos nossos conteúdos exclusivos!

    Outros posts que você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e acesse o melhor conteúdo sobre bem-estar corporativo!

      Saúde digital, bem-estar e inovação que seu colaborador precisa

      A Conexa Saúde é uma solução completa para a saúde digital da sua empresa, que mostra que bem-estar corporativo pode ser acessível e estratégico. Fale com a gente!